Herança em Pesquisa


Tudo começou em uma pequena barraca no ano 1900. Milhares de patentes e dois prêmios Nobel depois, o laboratório do Centro de Pesquisas Global da GE continua desenvolvendo novas tecnologias para as nossas vidas. Leia mais sobre o primeiro laboratório de pesquisa da GE e sobre como ele se tornou uma entidade mundial.

Em 1900, a GE abriu o primeiro laboratório de pesquisa e desenvolvimento industrial dos Estados Unidos. Localizava-se em um celeiro no pátio traseiro do cientista Charles Steinmetz e contava com três funcionários.

A História da GE Global Research

Charles Proteus Steinmetz, um distinto cientista industrial, foi firme no trabalho como engenheiro-chefe de consultoria da GE. Depois de anos de persuasão, Steinmetz convenceu à liderança da GE que a empresa precisaria de um laboratório de pesquisa para manter a vantagem na iluminação e eletricidade e, também, encontrar novas áreas para crescer.

Elihu Thomson, um dos fundadores da empresa, resumiu a missão do laboratório: "Parece-me, portanto, que uma empresa tão grande como a General Electric Company, não deve deixar de investir e desenvolver novos campos: deve ser, de fato, um laboratório de pesquisa para aplicações comerciais de novos princípios, e também para descobrir estes princípios ".

Charles Coffin, o primeiro CEO da GE, concordou e o Laboratório de Pesquisa da GE nasceu no celeiro de Steinmetz. Willis Whitney, um jovem professor de química do MIT que conduzia experimentos para a GE, foi convidado para se tornar o primeiro diretor. Um dos primeiros projetos do novo laboratório foi defender o principal ativo da empresa - iluminação incandescente - através da inovação. Em 1908, o cientista da GE, William Coolidge inventou o filamento de tungstênio fundido que fez a lâmpada incandescente da GE fosse significativamente mais durável do que o projeto original. A invenção garantiu a liderança tecnológica da GE no mercado e sintetizou o papel do laboratório de pesquisa da GE a trazer inovação para o mercado. Ao longo dos anos, o laboratório de pesquisa trouxe muitas novas tecnológicas para os clientes da GE. Com isso, os cientistas da GE acumularam milhares de patentes, e dois prêmios Nobel: Irving Langmuir ganhou o prêmio Nobel de Química em 1932 e Ivar Giaever ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1973.

Hoje, a GE Global Research é composta por mais de 3.000 funcionários que trabalham em quatro instalações: Niskayuna, New York (a poucos quilômetros do celeiro original); Bangalore, Índia (inaugurado em Setembro de 2000); Shanghai, China (inaugurado em outubro de 2003) e Munique, na Alemanha (inaugurado em junho de 2004). Steinmetz e Whitney não puderam ver as facilidades de hoje, mas eles se sentiriam muito satisfeitos com a missão do laboratório: estimular o crescimento da GE, trazendo tecnologia inovadora para o mundo.